Íncubos e Súcubos

O conto de domingo foi a inspiração para esse post , espero que gostem.



Na lenda medieval ocidental, um íncubo (em latim incubus, de incubare) é um demônio na forma masculina que se encontra com mulheres dormindo, a fim de ter uma relação sexual com elas. O Incubus drena a energia da mulher para se alimentar, e na maioria das vezes o Incubus deixa a vítima morta ou então viva, mas em condições muito frágeis. A versão feminina desse demônio é chamada de súcubo(succubus).

Uma succubus (no plural succubi) ou succuba (no plural succubae) é uma demônio que toma a forma de uma mulher bonita para seduzir homens (especialmente monges), em sonhos de ter intercurso sexual. Elas usam os homens para sustentarem-se de sua energia, por vezes até ao ponto de exaustão ou morte da vítima. São de mitologia e fantasia: Lilith e os Lilin (judeu) e Lilitu (Sumério), e em fábulas de redações Cristãs (folclores não fazem parte da teologia cristã oficial), considerado succubi. De acordo com o Malleus Maleficarium (Martelo das Bruxas), succubi iria recolher sêmen do homem com que dormia, que um incubi então usaria para engravidar as mulheres. Crianças assim nascidas eram para ser supostamente mais suscetíveis à influência dos demônios.

Em algumas crenças a succubi sofreria metamorfose no Incubus com o seu sêmen recém colhido pronto para engravidar as suas vítimas. Ista era para ter em conta o fato de que demônios não podiam reproduzir naturalmente, porém o incubus poderia engravidar as mulheres.

A aparência das succubi varia, mas em geral elas são descritas como belas mulheres com sedutora beleza, muitas vezes com demoníacas asas de morcego e grandes seios; Elas também têm outras características demoníacas, tais como chifres e cascos. Às vezes elas aparecem como uma mulher atraente em sonhos em que a vítima parece não conseguir retirá-la da sua mente.

No Oriente, a versão da succubus conhecida como "um Al duwayce" (أٌم الدويس) retrata succubus como uma bonita, sedutora e perfumada mulher que vagueia no deserto nos cascos de um camelo. Enquanto outras formas de succubus participam de intercurso sexual para coletar esperma e tornar-se grávidas, esta succubus em especial é uma juíza de vingança sobre aqueles que cometem adultério. Ela atrai esses homens, que têm relação com ela, enquanto que lâminas afiadas existentes dentro de sua vagina fatiam fora o pênis do parceiro, deixando-o angustiante de dor. Após ter deixado o homem impotente, ela se transforma em sua forma verdadeira e o come vivo.

  • Mulheres que ficavam grávidas fora do casamento frequentemente colocavam a culpa em um Incubus.
  • Dão forma à preocupação medieval com o Pecado, especialmente pecados sexuais.
  • Algumas violações de mulheres dormindo foram atribuídas aos demônios pelos próprios estupradores a fim de escapar da punição.
  • O sentimento de morte ao dormir é conhecido desde a antiguidade como pesadelo. O termo moderno para este estado é o coma.
  • Por causa do peso atribuído ao pecado sexual na Idade Média, o despertar noturno, orgasmo ou ejaculação noturna eram explicados através das lendas de criaturas como sendo responsáveis por um comportamento que, de outra forma, poderia causar uma idéia de culpa auto-consciente. Assim as pessoas poderiam dizer que não podiam ser culpadas por isso; isso estava obviamente fora de seu controle: eles nada mais eram do que vítimas.
  • Casos envolvendo jovens mulheres/homens que foram assediados sexualmente durante o sono por uma pessoa conhecida, como um amigo ou um membro da família, ainda que não fossem comuns, foram relatados e podem explicar alguns ataques noturnos. As vítimas poderiam achar mais fácil explicar os ataques como sobrenaturais do que confrontar a idéia de que o ataque veio de alguém confiável dentro da própria família.
  • Dizem que o Inccubus tinha filhos com as mulheres que ele dormia; a história mais famosa sobre esse caso inclui a de Merlin, o famoso mago da história do Rei Artur.
  • Em algumas lendas, Incubi e Súcubo não eram de diferentes sexos e da mesma "especie" de demônio, mas o mesmo demônio que muda de sexo: a ideia é que Súcubo poderia dormir com um homem e coletar seu sémen, e então se transformar em um Incubus para dormir com uma mulher. Em muitos casos, a prole dos Incubus tem características sobrenaturais, mesmo o material genético vindo de Homo sapiens. Esta idéia foi bastante explorada na série "Torre Negra" de Stephen King. Na Idade Moderna, o Súcubo também foi caracterizado pela imagem da tentação. O tema também foi retratado muitas vezes em histórias que usam seres paranormais que violam mulheres sem serem percebidos.
  • Nas Crônicas de Nárnia de C.S. Lewis o Incubus é uma das criaturas malignas da Feiticeira Branca, presente na morte de Aslan no livro O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa.
Share on Google Plus

About Daniel de Araujo

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

6 Comentários:

  1. UAU!!!
    Belo texto, mas que imaginação tinham essas pessoas, hein?
    Atribuir ao Demonio seus próprios instintos/desejos sexuais!!!
    A cada dia gosto mais e mais deste Blog!

    ResponderExcluir
  2. \o/ Obrigado Sandra ;)
    Fico feliz que curta o blog

    ResponderExcluir
  3. parceria aceita, jah add seu banner =p

    ResponderExcluir
  4. eu quando erra garoto tive varios sonhos com essas demonias, e tive tanbem varios orgasmos,elas estava levando minha forca vital, e o beijo e um gosto horrivel.wellersonribeiroes@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Mais uma babaquice medieval. Esses monges e essas freiras medievais eram todos mal resolvidos com a própria sexualidade (aliás, a julgar pelos casos de padres pedófilos, são até hoje), já que a Igreja dizia que tudo era pecado e obrigava os seus frades e freiras ao celibato.
    Com toda essa repressão, é óbvio que começaram a surgir lendas de íncubus e súcubos como justificativa aos impulsos sexuais desses clérigos. Durante o sono o inconsciente fica mais forte, afrouxamos os mecanismos de defesa, por isso falam-se de pesadelos.

    ResponderExcluir
  6. Mais uma babaquice medieval. Esses monges e essas freiras medievais eram todos mal resolvidos com a própria sexualidade (aliás, a julgar pelos casos de padres pedófilos, são até hoje), já que a Igreja dizia que tudo era pecado e obrigava os seus frades e freiras ao celibato.
    Com toda essa repressão, é óbvio que começaram a surgir lendas de íncubus e súcubos como justificativa aos impulsos sexuais desses clérigos. Durante o sono o inconsciente fica mais forte, afrouxamos os mecanismos de defesa, por isso falam-se de pesadelos.

    ResponderExcluir