O Palhaço Assassino

"Em 1978, a polícia de Illinois, Chicago, efetuou uma busca na casa n° 8213 da West Summerdale Avenue, interrogando seu morador, John Wayne Gacy, palhaço amador e muito querido pelas crianças da cidade. Antes de irem, um dos policiais estranhou um cheiro desagradável na casa; "É só um entupimento nos canos de esgoto", explicou Gacy. Mas os policiais decidiram investigar mesmo assim. No porão, sob um alçapão oculto, foram encontrados os restos de vinte e nove garotos entre nove e vinte e sete anos, com sinais de tortura, violências sexuais e estrangulamento."
John Wayne Gacy Jr., nascido em Chicago em 1942, teve uma infância traumática:
Era espancado e chamado de "menininha" pelo pai alcoólatra que aparentava odiar o filho (A mãe também era vítima das agressões do pai de John, que apesar de todos esses fatos aparentava gostar muito do pai), sofreu um traumatismo craniano aos 11 anos (Atingido na cabeça por um balanço, nos cinco anos seguintes, periodicamente sofria escurecimentos da visão. Foi descoberto um coágulo em seu cérebro, que foi removido cirurgicamente, e houve a remissão do problema. Contudo, John ainda manteve outros sintomas hipocondríacos, o que o ajudavam a afastar-se de atividades mais masculinas, como a prática de esportes violentos – ocasionalmente tinha queixas cardíacas, por exemplo).
Apesar de tudo isto, John Wayne Gacy formou-se em Administração e tornou-se vendedor de sapatos. Casou-se com uma colega de trabalho cujo pai possuía um restaurante de frangos fritos, em outro estado, e logo John passou a gerenciar tal estabelecimento, com desenvoltura.
Em 1968, um evento pega todos de surpresa:
John é acusado de ter subjugado sexualmente, por um longo período de tempo, um jovem empregado. Logo,elecontratou um adolescente assassino para espancar uma testemunha da promotoria, e mais acusações pesaram sobre ele. Negociando uma confissão, foi sentenciado a dez anos de prisão.
Prisioneiro “modelo” foi solto menos de dois anos depois. Entretanto, sua esposa o largou, neste período. Gacy voltou então para Chicago.
Gacy começou a matar em 1972, e suas vítimas eram apenas homens;
Rapazes que recebiam propostas de emprego iam até a casa de John, eram embebedados, amarrados numa cadeira e estuprados. Ele vestia-se de palhaço enquanto as torturava. Matava geralmente sufocados (Colocando as cuecas das vítimas em suas bocas) ou estrangulados (Gostava de ler passagens bíblicas enquanto enforcava as vítimas).
Enterrava os corpos no chão de sua casa – até que, sem espaço, começou a jogá-los em um rio. John Wayne Gacy encaixa-se perfeitamente na fantasia do “Palhaço Assassino”, como ficaria conhecido pela imprensa.
John foi pego em 1978. Sua empresa prestou um serviço de reforma a uma loja, e nesta loja ele convidou um jovem a trabalhar em sua firma. O jovem, quando foi encontrá-lo à noite, disse a amigos o que estava indo fazer. Quando se notou o seu sumiço, a polícia foi à casa e sentiu o odor pútrido da morte. Entretanto, não foram encontrados corpos, mas: sedativos, algemas, livros sobre homossexualismo, instrumentos para “jogos” sexuais, uma pistola, um pênis de borracha, maconha, além de objetos que aparentavam não pertencer ao dono da residência..
A polícia começou a periciar as evidências e instituiu vigilância sobre ele. Descobriu-se então sobre o seu passado ( a condenação em outro estado) e que vários empregados seus, que geralmente eram menores, haviam desaparecido. Acabaram voltando à sua casa…
Em 1988 foi condenado a 21 prisões perpétuas e 12 penas de morte. Já preso, John Wayne Gacy tentou culpar “Jack Hanson”, uma suposta segunda personalidade sua.
Em um depoimento, desenhou um mapa com a disposição dos corpos – em seguida, aparentou desmaiar. Quando “voltou a si”, disse que foi “Jack” o autor do desenho. Os vários psiquiatras que o entrevistaram não quiseram embarcar nesta história, embora tenham feito várias hipóteses para o diagnóstico: “pseudoneurótico esquizofrênico paranóico”, “personalidade borderline”, “sociopata”, “narcisista”, “mentiroso patológico” etc.
John era contraditório em seus depoimentos, e em um deles disse lembrar-se de apenas cinco homicídios, e de forma incompleta – sendo que, além disto, as memórias pareciam não ser suas, e sim de outra pessoa, conforme disse.
Enquanto aguardava no Corredor da Morte do Menard Correctional Center de Illinois, John - apelidado pela imprensa de "Palhaço Assassino" – encontrou uma maneira de ganhar muito dinheiro :
Com as pinturas que fazia (especialmente populares eram as de palhaço e auto-retratos, mas também retratou Jesus, Hitler, personagens da Disney, outros criminosos etc. Suas ilustrações são consideradas ítens de coleção, e alcançam altos preços no mercado) e com outros métodos, como um serviço telefônico pago que criou, onde a pessoa que ligava podia ouvir sua alegação de inocência. Suas pinturas chegaram a fazer parte de exposições.
Tinha uma rotina obsessiva na cadeia: anotava cada ligação, carta ou visita recebida, e até mesmo o que comeu. Conta-se que, nos 14 anos que esteve preso, passou a abusar de álcool e tentou suicídio.
Pouco antes de morrer, em 1994, de injeção letal, já sedado, pronunciou suas últimas palavras: “Kiss my ass!”
E além de seus quadros, John parece ter tomado uma boa fatia do bolo da cultura pop:
• A cela onde Gacy ficou preso foi usada recentemente para rodar a aclamada série Prison Break
• O ex-tecladista da banda de Marilyn Manson usou parte do nome de John para sua "nova identidade": Madonna Wayne Gacy.
• Sufjan Stevens gravou a música "John Wayne Gacy Jr" no disco Come On Feel the Illinoise (2005).
• Jonathan Davis, vocalista da banda Korn, comprou o traje de palhaço de Gacy.

Fontes: Wikipédia,O Serial Killer


Sinistro, não?
Share on Google Plus

About Bianca Martins

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

2 Comentários:

  1. tense mano, depois reclamam dos medos que criança tem, de... Palhaços, crianças, não escutem Pennywise -t

    ResponderExcluir
  2. Nossa,adorava palhaços e a agora amo ainda mais.

    ResponderExcluir