Lenda da Flor – Cadáver





Há muitos anos atrás na ilha de Sumatra , na Indonésia , vivia uma princesa muito gananciosa chamada Tin . Um certo dia ,  esta moça com seu namorado , Kiko , combinaram de matar os reis numa madrugada . Então Tin matou os seus pais com pauladas na cabeça e fugiu com o seu amado carregando todo o tesouro do reino . Porém , no meio da floresta , a princesa caiu do cavalo e foi mordida por uma cobra venenosa no chão . Aproveitando – se da situação  Kiko abandonou a parceira agonizando e fugiu com o tesouro .
De repente  um demônio apareceu para Tin e exclamou :
- Você cometeu o pior pecado que existe sobre a face da Terra : matou os seus pais !
- Pois saiba que a pessoa que assassina os próprios pais não é aceita no inferno e muito menos no purgatório ...
- O destino desta criatura é vagar pelo planeta em forma de fantasma , ou , virar planta !
- O castigo que escolhi para você é virar uma flor – cadáver !
- Você será a mais fedida de todas as flores e só atrairá insetos carniceiros !
Naquele momento a moribunda transformou – se em uma flor enorme , com uma única coluna afilada na forma do corpo de uma mulher .
Alguns anos depois Kiko estava em seu castelo  quando ,  de repente ,  ele escutou batidas na porta da sua residência . Assim o moço  abriu esta porta  e viu uma caixa no chão . Kiko abriu a embalagem , viu que nela havia algumas sementes e um bilhete dizendo :
- Plante a flor que você merece !
O homem plantou as sementes no seu jardim . Algum tempo depois ele viu que uma flor linda e enorme crescia naquele local . Então quando o rapaz aproximou – se desta planta a flor abriu – se e devorou Kiko .
Reza a lenda que a mulher que mata os próprios pais corre o risco de virar uma flor – cadáver e que  esta planta devora quem a cultivou .
Luciana do Rocio Mallon
Share on Google Plus

About Victor Ramide

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 Comentários:

Postar um comentário