Métodos de torturas psicológicas da C.I.A


A tortura psicológica foi adotada algum tempo atrás, através de um manual que instruía o torturador a utilizar tais métodos coercivos.

A Casa Branca publicou vários documentos da precedente administração que enumeram, com precisão quase científica, as técnicas de tortura a usar durante interrogatórios.
Em 24 de Agosto de 2009, documentos descrevendo parte das instruções do Programa de Tortura da CIA sendo praticado a partir de 2001, foram liberados através de uma ação na Justiça iniciada pela União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU). Os documentos mostram, segundo especialistas, vários casos de violação de Leis e Tratados Internacionais bem como de Leis americanas. Uma investigação criminal acerca das atividades de tortura pela CIA foi também iniciada em 24 de Agosto de 2009, pelo Advogado Geral da União, Eric Holder.


Confira algumas delas.

Submissão por humilhação

A manipulação psicológica, a humilhação, a privação sensorial e as posturas forçadas causam tanto dano, estresse e angústias como a tortura física, com o benefício de não deixar manchas ou cicatrizes, ao passo que psicologicamente as pessoas que passam por esta experiência sentem por longos anos um sofrimento mental que normalmente leva ao suicídio ou afastamento da sociedade.


Este tipo de “técnicas de tortura” não vem do acaso e foi criado baseado num programa de experimentos humanos que a CIA conduziu. Os experimentos visavam identificar e desenvolver drogas e procedimentos a serem utilizados em interrogatórios e tortura, visando debilitar o indivíduo para forçar confissões por meio de controle da mente.
Prisioneiros submetidos a privação sensorial

O Programa secreto começou no início de 1950. Sem consentimento, as experiências ilegais foram feitas em americanos, canadenses e estrangeiros, muitas vezes sem que soubessem ou autorizassem as vítimas estavam sendo usadas como cobaias humanas. O objetivo do programa era claro e visava segundo o chefe do projeto Sidney Gottlieb:

“criar técnicas para romper a psique humana ao ponto de fazer com que o indivíduo admita que fez qualquer coisa, seja o que for”


Inúmeras vítimas tiveram suas vidas destruídas até a morte, em alguns casos acreditando estarem recebendo algum tipo de tratamento.



O Projeto tem um codinome e se chama MKULTRA, suas técnicas levaram a criação do Manual Kubark, nome oficial dos manuais de tortura utilizados pelo exército americano. Kubark é um código, uma criptografia, ou seja, um nome criptografado usado pela CIA para se referir a si mesma. O manual Kubark descreve “técnicas coercivas” de interrogatório, incluindo o uso do choque elétrico. Este manual é conhecido como “Manual de Tortura”.


O objetivo principal era o de, eletronicamente, "apagar" a memória das "vítimas" - E.D.O.M. utilizando remotamente radiofreqüências de VHF, UHF e HF, e "implantar" falsas memórias e criar humanos com personalidades múltiplas, inclusive como "serial killers", altamente especializados e treinados em diversos tipos de armas.
Segundo o investigador Colin A.Ross Doutorado pela Universidade de Alberta e especializado em Psiquiatria pela Universidade de Manitoba, E.U.A, e presidente do International Society for the Study of Dissociation, as Universidades de Harvard, Yale e John Hopkins eram instituições pertencentes ao MK-ULTRA onde eram feitas experiências com estudantes involuntários.
as experiências do MKULTRA resultavam do seguinte: antes das memórias "vividas" serem apagadas, transformavam as vítimas em "vegetais"; para isso, era administrado aos "pacientes" um "cocktail diário para dormir", (por um período de 15 a 30 dias a que designavam por "terapia do sono") composto por 100 mg de nembutal, 100 mg de torazina, 100 mg de seconal, 150 mg de veronal e 10 mg de fenergan e, de 2 a 3 vezes por dia, eletrochoques de 110 volts. Esta "terapia" foi inicialmente testada num hospital de Montereal (Canadá), sob a supervisão do psiquiatra Dr. Ewen Cameron, diretor do Allen Memorial Institute e que foi eleito, em 1953, presidente da American Psychiatric Association (Associação Psiquiátrica Americana) e, mais tarde, presidente da World Psychiatric Association (Associação Psiquiátrica Mundial).
Técnicas
 
Os Manuais recomendam que as pessoas sejam aprisionadas bem cedo na parte da madrugada para serem pegas desprevenidas e o choque poder ser usado para submissão do indivíduo, recomendam que a pessoa seja imediatamente vendada e que suas roupas sejam tiradas expondo a pessoa nua e sem possibilidade de ver.

Sob tais condições a desorientação é eminente.


Também instruem para que as pessoas sejam colocadas em isolamento sendo impedidas de dormir e comer e que suas rotinas de sono e alimentação sejam drasticamente perturbadas. Os manuais determinam que as salas de interrogação não tenham janelas, sejam a prova de som, escuras e sem banheiros, recomendam também ameaças de aplicação de dor física, hipnose, drogas.

A superioridade é a técnica
 
Apesar das experiências com tortura que a CIA realizou por mais de uma década não causarem dor física, elas podem causar alguns danos reais. Historiador e especialista nos assuntos CIA e tortura, Alfred McCoy, escreve: “embora parecendo menos brutal, a tortura sem toque deixa cicatrizes psicológicas profundas. As vítimas frequentemente precisam de tratamento para se recuperar do trauma muito mais debilitante do que a dor física”.


Submetido a humilhação extrema


Um preso introvertido ou envergonhado pode ser mantido nu e ser sexualmente humilhado, por exemplo. As roupas podem ser tiradas simplesmente para fazê-lo se sentir menos confortável.

Cachorro Afrontando prisioneiro
Utilizam também animais para submeter os prisioneiros aos sentimentos de medo e impotência. urinar nos presos, despi-los, defecar sobre suas faces são práticas comuns utilizadas para quebrar o caráter dos prisioneiros. Alguns dos métodos utilizados é usar as fezes para cobrir o corpo e rosto. nudez é o mais natural e dentre as práticas da tortura psicológica a imposição de forçar ao sexo em grupo é a mais humilhante.

Torturado é obrigado a se expor.


Criar sentimentos de estranheza, desorientação e isolamento parece ser a característica do enfraquecimento psicológico do preso no texto do manual KUBARK. Práticas como levar à inanição; manter o presidiário em celas pequenas e sem janelas, com luz artificial constante; e forçar o preso a sentar ou ficar de pé em posições desconfortáveis (posições estressantes) por longos períodos de tempo foram condenadas ou banidas completamente pelo governo dos Estados Unidos. Mesmo assim essas técnicas fazem parte do regime prescrito pelo KUBARK. Drogas e hipnose também foram muito utilizadas para extrair informações.

Tortura por choque elétrico.
Este prisioneiro teve seus testículos e dedos amarrados a fios elétricos, e lhe foi informado que se descesse da caixa seria eletrocutado.


o manual recomenda que os interrogadores estejam certos de que uma casa segura e com potencial para ser usada para tortura tenha acesso à eletricidade.


A dor física, entretanto, é considerada contraproducente pelo manual. O manual conclui que, para um preso, é muito pior temer que a dor aconteça do que realmente experimentá-la. O velho ditado de que a antecipação é pior do que a experiência parece também ter fundamento no sombrio campo da tortura.


Manual em inglês para quem quiser dar uma olhada (não me responsabilizo por seus atos)

http://pt.scribd.com/doc/487663/CIAKubarkTorture-Manual

 fonte: caixa de pandora e nana nenem que vem o nibiru



PS: Zuei as imagens todas por causa do mascote... Alguem sabe como eu diminuo esse maldito no photoshop?
Share on Google Plus

About Neto Sanches

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

18 Comentários:

  1. tortura PISICOLOGICA?
    errado

    ResponderExcluir
  2. nooosa botaram uma foto do filme un chien andalou

    ResponderExcluir
  3. Acho valido dependendo do crime!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa cara, então experimenta passar por isso

      Excluir
  4. Nâo é válido de jeito nenhum. Como foi dito no texto, a pessoa confessa mesmo que não tenha feito nada.

    ResponderExcluir
  5. Pra você diminuir o mascote no Photoshop,
    entra em IMAGE > FREE TRANSFORM, lá você vai encontrar as ferramentas que você precisa pra rotacionar, distorcer, essas coisas!!!

    ResponderExcluir
  6. Selecione apenas o mascote, use CTRL+T e redimensione, mas não esquece de manter o Shift pressionado para manter a mesma proporção...

    ResponderExcluir
  7. Por isso que eu digo:
    ODEIO A CIA E OS EUA!

    ResponderExcluir
  8. Vocês viram os SORRISOS dos torturadores? E depois dizem que o assassino do Rio era um Psicopata.
    Ora poha, tem muitos "Wesleys da vida" no exército dos EUA.

    ResponderExcluir
  9. É, só um ser humano prá saber o que pode afligir tanto o outro e levá-lo ao desespero.
    God, nós somos bichos, mesmo!

    ResponderExcluir
  10. ah kem ache mal, eu acho bem, mas so a psicologica, fisica so mesmo espancamento, mas tbm acho k so deve ser usado em kasos de grande krime de guerra, ou mesmo de assassinato em grande massa, kaso kontrario pode tbm ser usada tortura mas nao kom essa intensidade ai nao, koisas mais "soft`s"...

    ResponderExcluir
  11. sou a favor, tipos: sequestradores, traficantes, estupradores, políticos corruptos, tem que mandar TODOS pra CIA, dar uma lição

    ResponderExcluir
  12. Tortura não é punição.. não é uma pena dada para a pessoa pagar.. é só um meio de extrair informação.. então não tem como "depender do crime" como falado nos comentarios anteriores..

    ResponderExcluir
  13. Acho a tortura degradante, pois mostra como o ser humano é cruel, sádico. Acredito que se o torturador pudesse sentir na pele, a dor que o outro sente, jamais faria isso, a não ser que seja masoquista tambem, alem de sádico, porque todo torturador não passa de um verdadeiro sádico, que se satisfaz com o sofrimento alheio.A tortura mostra como o ser humano é irracional

    ResponderExcluir
  14. eu sofri tortura psicológica e tentei dois suídios.

    ResponderExcluir
  15. Podem até odiar a CIA os EUA, o inferno qualquer coisa, mas se for seus filhos mortos pela bala de um individuo e alguém souber e não quiser falar, tenho certeza que você faria qualquer coisa, permitiria tortura psicológica, em um caso desses eu acho certo, se não tiver motivo a tortura não é certa!

    ResponderExcluir
  16. Todo o problema é que cada um elencará os seus motivos que a justifiquem: Deus, a família, a ideologia, a segurança pública, etc... Totura não traz confissoes; Faz o "criminoso" dizer qualquer coisa até satisfazer o torturador.
    Se o agente é realmente perigoso, deve ser eliminado para que não possa reincidir. Tortura ou o tornará louco ou ainda mais cruel. Além de transformar o agente publico (policial, militar, carrasco, etc...) em um monstro insensível e, por isto mesmo, um perigo para a sociedade. A pena de morte seria mais humana e mais eficiente. Caronte.

    ResponderExcluir
  17. Bizarro. Nenhuma pessoa de bem compactua com isso. O ser humano tem a tendência à perversão. Por mais perverso que seja o criminoso, se sentir bem torturando faz o torturado uma pessoa de tão perversa quanto. Estar do outro lado não faz dele uma pessoa boa (ao a trabalho do bem) fazendo uma coisa dessas !!!

    ResponderExcluir