O Incidente de Dyatlov Pass

Olá pessoal do sinistro, hoje estarei falando sobre o incidente de Dyatlov que ocorreu na noite de 2 de Fevereiro de de 1959. Nove jovens começaram uma jornada em 23 de janeiro de 1959, tendo como destino a montanha Otorten, no norte das Urals, Russia. Todos eram estudantes do Instituto Politécnico de Ural, em Ekaterinburg, localizado na região da Sverdlovsk, 1.900km a leste de Moscow. O grupo do Instituto de Politécnica de Ural era formado por membros experientes do clube de esporte desportivo da faculdade, liderado por Igor Dyatlov, de 23 anos, respeitado por ser um expert em esquiar e montanhismo. Sua rota para Otorten, que alcançaria alturas de 1.100 m acima do nível do mar, foi classificada como “Categoria III” – a mais perigosa para aquela época do ano – mas a experiência combinada dos estudantes significava que não havia nada de incomum na escolha da expedição.







Além de Dyatlov e Yudin, o grupo era composto por Georgy Krivonischenko (24), Doroshenko Yury (24), Kolmogorova Zina (22), Slobodin Rustem (23), Nicolas Thibeaux-Brignollel (24), Dubinina Ludmila (21), Alexander Kolevatov (25) e Alexander Zolotaryov (37). 

Assim, em 23 de Janeiro, o grupo de 10 partiu naquilo que deveria ser uma viagem de três semanas através do país. Eles viajaram de trem para Ivdel, chegando em 25 de Janeiro, e depois, de caminhão para Vizhai – a última colônia habitada antes do deserto coberto de neve entre eles e Otorten. Eles começaram sua jornada em 27 de Janeiro. No dia 28, entretanto, Yudin ficou doente e teve que voltar, deixando o grupo de nove para continuar sem ele. Foi a última vez que ele viu seus companheiros vivos. O curso dos acontecimentos após a saída de Yudin só pode ser reconstruído a partir dos diários e fotografias deixadas pelo resto do grupo e recuperados a partir da área onde eles fizeram seu último acampamento.
Depois de deixar Yudin para trás, o grupo esquiou em todas as áreas desabitadas e lagos congelados, seguindo os caminhos da tribo indígena local, os Mansi, por mais quatro dias. Em 31 de janeiro, chegaram ao rio Auspia, onde montaram uma base, deixando o equipamento e comida lá para a viagem de regresso. A partir dali, em 1º de fevereiro, eles começaram a subir o caminho em direção a Otorten. Por qualquer razão mais provável más condições meteorológicas, fazendo com que eles se perdessem, eles se encontraram nas encostas da montanha Kholat Syakhl, a uma altura de pouco menos de 1.100 m. Lá, em torno das cinco horas da tarde, eles armaram suas barracas para a noite apesar de que, se descessem apenas 1,5 km, poderiam ter encontrado um abrigo bem mais seguro em uma floresta.
Os últimos trechos de seus diários mostram que os estudantes estavam de bom humor; eles haviam até produzido seu próprio jornal o Evening Otorten  uma forma tipicamente soviética de unir o grupo. No dia seguinte, eles planejavam continuar até a montanha, a apenas 10 quilômetros ao norte, antes de retornar ao acampamento base.
O plano era o grupo retornar a Vizhai até 12 de Fevereiro, de onde Dyatlov iria enviar um telegrama ao clube de esportes do Instituto dizendo que tinham chegado com segurança. Ninguém ficou preocupado quando o telegrama não chegou como combinado – afinal, estes eram esquiadores experientes. Foi somente em 20 de fevereiro – quando os parentes preocupados dos estudantes começaram a reclamar – que o Instituto enviou uma equipe de busca e salvamento de professores e alunos, seguido pela polícia e exército, que enviou aviões e helicópteros.





Os voluntários encontraram o acampamento abandonado em 26 de Fevereiro. “Nós descobrimos que a tenda estava meio caída e coberta de neve. Estava vazio, e todos os pertences do grupo e sapatos tinham sido deixados para trás”, disse Mikhail Sharavin, o estudante voluntário que encontrou a barraca. Ela havia tinha sido cortada de dentro para fora, com um espaço grande o suficiente para uma pessoa passar. Pegadas foram encontradas na neve, deixadas por pessoas vestindo meias, valenki (botas de feltro macio) ou apenas um sapato, ou que estavam completamente descalças. As pegadas eram compatíveis com os membros do grupo, embora houvesse alguma dúvida se elas correspondiam a oito ou nove pessoas. Não havia nenhuma evidência de luta, ou de outras pessoas além dos esquiadores, e nenhum sinal dos próprios alunos.

As pegadas desciam a encosta em direção à floresta, mas desapareciam depois de 500m. Um quilômetro e meio depois da tenda, os dois primeiros corpos foram descobertos. Georgy Krivonischenko e Yury Doroshenko, descalços e vestidos apenas com suas roupas de baixo, foram encontrados na orla da floresta, sob um grande pinheiro. Suas mãos estavam queimadas, e ainda haviam os resto de uma fogueira ali perto. Os ramos da árvore estavam quebrados até 5m de altura, sugerindo que um esquiador tinha subido nela para procurar alguma coisa, e outros galhos quebrados estavam espalhados sobre a neve.







A 300 metros dali, jazia o corpo de Dyatlov, de costas, com o rosto olhando na direção do acampamento e com uma mão segurando um galho. A 180 metros na direção das barracas, os pesquisadores encontraram Rustem Slobodin, e 150 metros a partir dele estava Zina Kolmogorova; ambos parecendo que haviam usado suas últimas forças para tentar voltar ao acampamento.
Os médicos disseram que os cinco tinham morrido de hipotermia. Apenas Slobodin tinha outra lesão além da mãos queimadas: seu crânio estava fraturado, embora tenha sido comprovado que isso não foi a causa da morte.
Demorou dois meses para localizar os quatro esquiadores restantes. Seus corpos foram encontrados enterrados sob 4m de neve em uma ravina da floresta, a 75 metros de distância do pinheiro. Nicolas Thibeaux-Brignollel, Ludmila Dubinina, Alexander e Alexander Kolevatov Zolotaryov pareciam ter sofrido mortes traumáticas. O crânio de Thibeaux-Brignollel tinha sido esmagado, e Dubunina e Zolotarev estavam com as costelas quebradas. Dubinina também não tinha língua. Os corpos, no entanto, não mostravam nenhuma ferida externa.
Segundo o escritor Igor Sobolyov, que investigou as mortes, também parecia que alguns deles tinham pegado as roupas dos corpos dos que haviam morrido primeiro, em uma tentativa de se manterem aquecidos. Algumas das roupas tinham cortes como se tivessem sido retiradas à força. Zolotaryov estava usando o casaco de pele falso e o chapéu de Dubinina, enquanto o pé de Dubinina estava envolto em um pedaço da calça de lã de Krivonishenko. Thibeaux-Brignolle tinha dois relógios no pulso um mostrava 08h14, e o outro 08h39.
Inicialmente havia boatos de que os povos indígenas Mansi poderiam ter atacado e assassinado o grupo, mas a investigação indica que a natureza de suas mortes não suportam esta tese; pegadas dos caminhantes de apenas eram visíveis, e não mostrou nenhum sinal de combate.
Embora a temperatura era muito baixa, cerca de -25º a -30°C com uma tempestade. Alguns deles tinham apenas um sapato, enquanto outros não tinham sapatos ou usavam apenas meias. Alguns foram encontrados embrulhados em recortes de roupas rasgadas que pareciam ter sido cortados daqueles que já estavam mortos. No entanto, até 25 por cento das mortes estão associadas com hipotermia. Isso normalmente ocorre durante moderada a grave hipotermia, como a pessoa torna-se desorientado, confuso e combativo. Eles podem começar descartando sua roupa, o que, por sua vez, aumenta a taxa de perda de calor. 
Os jornalistas publicaram alguns arquivos do inquérito:
Seis dos membros do grupo morreram de hipotermia e três de lesões fatais.
Não houve indicações de outras pessoas nas proximidades para além dos nove viajantes em Kholat Syakhl, nem ninguém nas áreas circundantes.
A barraca tinha sido rasgada de dentro.
As vítimas morreram de 6 a 8 horas após a sua última refeição.
Traços do acampamento mostrou que todos os membros do grupo deixaram o campo por vontade própria, a pé.
Para dissipar a teoria de um ataque dos povos indígenas Mansi, Dr. Boris Vozrozhdenny afirmou que os ferimentos fatais dos três corpos não poderiam ter sido causado por outro ser humano.
Testes de radiação Forense mostraram altas doses de contaminação radioativa na roupa de algumas vítimas.
Documentos divulgados não continham informações sobre o estado dos órgãos internos dos esquiadores.
O veredicto final foi que os membros do grupo morreram por causa de uma "força irresistível desconhecido". O inquérito foi fechado oficialmente em maio de 1959 como resultado da "ausência de um culpado". Os arquivos foram enviados para um arquivo secreto, e as fotocópias do caso tornou-se disponível apenas na década de 1990, com algumas peças em falta. 
Alguns pesquisadores afirmam alguns fatos foram perdidos.
Outro grupo de excursionistas (cerca de 50 quilômetros ao sul do incidente) relataram que viram estranhas esferas laranja no céu da noite para o norte (provavelmente na direção do Kholat Syakhl) na noite do incidente.  
Semelhantes "esferas" foram observados em Ivdel e áreas adjacentes continuamente durante o período de fevereiro a março de 1959, por várias testemunhas independentes (incluindo o serviço de meteorologia e os militares). Mas estes foram mais tarde provou ser lançamentos de R-7 mísseis intercontinentais.
Alguns relatórios sugerem que houve uma grande quantidade de sucata de metal na área, levando à especulação de que os militares haviam utilizado a área secreta.







Share on Google Plus

About Ygor Dark

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

3 Comentários:

  1. curti !bom post!

    ResponderExcluir
  2. nossss que vontade de sabir oq ocorreu de verdade meu :\

    ResponderExcluir
  3. ALESSANDRO"MUITO ESTRANHO FIQUEI CURIOSO EM SABER O QUE REALMENTE ACONTECEU LÁ.

    ResponderExcluir