O misterioso caso clinico de Barroso


Um dramático caso ufológico em que a testemunha foi atingida por um feixe de luz no rosto. Posteriormente entrou em processo de rejuvenescimento físico e mental deixando médicos estupefatos.
Luiz Barroso Fernandes era fazendeiro, comerciante e dono de um sítio em Quixadá (CE), a chamada, “capital nordestina dos discos voadores”. Ele tinha uma vida normal e produtiva em vários aspectos até que em 3 de abril de 1976 sua vida mudou drasticamente.  Nesse dia, ao se deslocar de charrete de sua residência para a fazenda, ouviu um zumbido semelhante a um enxame de abelhas gigantes, sem se preocupar, ele olhou para os lados e nada viu, continuando assim sua trajetória.
No entanto, o barulho aumentava cada vez mais, parecendo vir do alto, tornando-se até certo ponto insuportável. Foi então que viu uma bola de luz que passava sobre ele. Intrigado, mas sem medo, puxou as rédeas do animal e ficou observando o ufo que, diminuindo de velocidade, desceu na estrada a poucos metros a sua frente. A bola de luz apagou-se e Barroso viu que se tratava de algo parecido com um carro do tipo fusca, porém muito “mal acabado e que rodopiava”, comparou. De repente o objeto parou de girar e abriu uma pequena porta de onde saíram dois seres baixos de aspecto humano.



Um deles trazia na mão uma lanterna quadrada e escura e direcionou um feixe de luz para o rosto do fazendeiro. Barroso sentiu um forte calor e não conseguia se mover. As duas então aproximaram dele e miraram novamente o raio de luz. Nesse momento ele desmaiou, vindo a recobrar os sentidos algumas horas depois, meio dormente, com sensação de febre, dor de cabeça e o lado esquerdo do corpo queimado, como se tivesse sido exposto ao sol por bastante tempo. O fazendeiro não conseguiu locomover-se e pensou que fosse morrer. Observou que o local em que estava não era o mesmo em que havia sido interceptado pelo objeto.

Luis Barroso Fernandes, anos após sua
experiência. Ao lado dele, o médico
Antônio Moreira Magalhães que acompanhou
seu caso até o falecimento do protagonista do caso
Ele não sabia como tinha chegado àquele ponto e imaginou ter sido carregado juntamente com sua charrete. Por volta das 7 horas da manhã Luis Barroso foi encontrado, a 5Km da fazenda, por um peão chamado João Francisco. Ele e o burro estavam parados ao lado da estrada em estado de torpor (Estado de sensibilidade reduzida.). Neste mesmo dia ele sentiu-se muito mal, vomitando algumas vezes e sofrendo dor de cabeça e diarréia. Após relatar o ocorrido, acabou tornando-se a atração da cidade, inclusive com a imprensa divulgando o caso. O CPU soube do caso e foi até o local para conversar com o contatado. Mas este não recebeu o grupo numa primeira visita, alegando que não agüentava mais contar a mesma história…

Por fim, acabou concedendo uma entrevista ao Centro de Pesquisas, desde que a equipe não o fotografasse nem publicasse o depoimento nos jornais locais. O caso foi pesquisado durante 17 anos. Durante esse período, Barroso entrou numa regressão mental inexplicável até parecer, segundo o doutor Antônio Moreira Magalhães e mais 15 médicos que o acompanharam durante esses anos, uma criança de 9 meses de idade.Neste estágio ele só balbuciava três palavras:“mamãe, dá medo”, quando flashes de câmeras fotográficas ou luzes de filmadoras eram acionadas. A partir de 1990, Barroso começou a rejuvenescer fisicamente, desapareceram as rugas do rosto e os músculos se enrijeceram. Ao falecer em abril de 1993, seu corpo não apresentou o característico aspecto cadavérico. Parecia estar sorrindo – zombando, talvez, dos ufólogos presentes no velório. Contudo não foi possível descobrir o que realmente aconteceu com o fazendeiro.
Share on Google Plus

About Treviz

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

3 Comentários:

  1. Nao sei dizer se o cara teve sorte ou azar.

    ResponderExcluir
  2. Brother, testaram algum tipo de experimento rejuvenescedor no cara? Só que algo deu errado?

    ResponderExcluir
  3. Viramos cobaia para testes cosméticos intergalácticos.
    Não agimos de forma rspeitosa com a vida ao redor, talvez por isso também não nos respeitem. É recíproco.

    ResponderExcluir