O núcleo do planeta Júpiter está se dissolvendo

Até os grandes podem perder o coração. Novos cálculos sugerem que o núcleo rochoso de Júpiter está se dissolvendo. O trabalho pode ajudar a explicar porque o seu núcleo parece menor e sua atmosfera está mais rica em elementos pesados.
Imagina-se que planetas gigantes como Júpiter e Saturno começaram sua vida como corpos sólidos de rocha e gelo. Quando chegaram a uma massa dez vezes maior do que a da Terra, suas gravidades puxaram gás que resultaram em atmosferas grossas formadas principalmente por hidrogênio.
Curiosamente, alguns estudos sugerem que o núcleo de Júpiter pesa menos do que dez Terras, enquanto o de Saturno, que é menor, tem entre 15 e 30 Terras. No ano passado, pesquisadores chineses ofereceram uma explicação sinistra: um planeta rochoso maior do que a Terra bateu em Júpiter há muito tempo, vaporizando a maior parte de seu núcleo.
Esse cenário pode também explicar outro mistério: porque a atmosfera de Júpiter contém uma fração de elementos pesados maior do que o sol, cuja composição é considerada um reflexo da que compunha a nebulosa que deu origem aos planetas do sistema solar.
Agora, os cientistas Hugh Wilson e Burkhard Militzer sugerem outra teoria, não menos macabra: o núcleo de Júpiter vem gradualmente se dissolvendo desde sua formação, há 4,5 bilhões de anos.
 
Cálculos quânticos

Outros pesquisadores propõe que a intensa pressão e temperatura no coração do gigante talvez faça seu núcleo dissolver na atmosfera interna, que está sob tanta pressão que faz com que ele se comporte, de alguma maneira, como um líquido.
Os especialistas usaram equações da mecânica quântica para ver como o óxido de magnésio – um constituinte do núcleo de Júpiter – reage em pressões e temperaturas similares as do planeta (40 milhões de atmosferas terrestres e 20 mil graus Celsius). Essas condições não podem ser recriadas em laboratórios terrestres.
Eles descobriram que nessas condições, o mineral realmente se dissolve nos fluidos à volta. “É como um pouco de sal no fundo de um copo. Coloque água morna e ele vai começar a se dissolver, ficando com água mais salgada no fundo e menos salgada no topo”, explica Wilson.

Ele suspeita que a rocha dissolvida talvez se misture com o resto da atmosfera, com o tempo. “Isso poderia pelo menos explicar parcialmente o enriquecimento de elementos pesados na atmosfera externa, e o fato do núcleo estar menor do que nas previsões”, afirma.
Os cálculos também sugerem porque Saturno – que possui cerca de um terço da massa de Júpiter – parece ter um núcleo mais robusto. As condições no planeta dos anéis não são tão extremas quando em Júpiter, então se o núcleo está se dissolvendo, está fazendoisso de uma “maneira muito mais lenta”, afirma Wilson.
A equipe acredita que o processo provavelmente acontece muito mais rápido em planetas mais massivos do que Júpiter. Dave Stevenson, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, concorda. “A erosão do núcleo deve ser maior conforme a massa cresce”, afirma.
“Eu suspeito que em ‘super Júpiteres’ não há nenhum núcleo”, afirma Wilson. Se for esse o caso, a concentração de elementos pesados na atmosfera será maior, o que pode ser detectado por telescópios, no futuro.
O fato do coração de Júpiter estar se dissolvendo é ruim? Wilson diz que é o oposto. “É como um sinal de que o planeta ainda está se formando – não atingiu um estado estável”.

Share on Google Plus

About Treviz

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

2 Comentários:

  1. Lendo isso lembrei de algo bizarro que li, dizia que Júpiter iria se tornar um segundo sol, e isso marcaria a passagem para um estado elevado.

    ResponderExcluir